Web

22 regras para roteiros da Pixar

Abaixo você confere as regras para roteiros publicadas por Emma Coats, criadora de histórias da Pixar, onde ela cita vinte e dois pontos que são interessantes para pensar e abordar em uma narrativa.

Servem como excelentes dicas para qualquer escritor ou admirador da arte de criar roteiros e narrativas. Confira!

As regras para roteiros da Pixar

1. Você admira um personagem por tentar mais do que por seus sucessos.

2. Você deve ter em mente o que é interessante para você como uma audiência, e não o que é divertido fazer como escritor. Isso pode ser muito diferente.

3. Tentar um tema é importante, mas você não verá sobre o que a história é até que você esteja no final. Agora reescreva.

4. Era uma vez ___. Todo dia, ___. Um dia ___. Por causa disso, ___. Por causa disso, ___. Até finalmente ___.

5. Simplifique. Foco. Combine caracteres. Pule por cima dos desvios. Você sentirá como se estivesse perdendo coisas valiosas, mas isso o liberta.

6. Em que o seu personagem é bom, fica confortável? Jogue o oposto neles. Desafie-os. Como eles lidam com isso?

7. Tenha o seu final antes de descobrir o meio. É sério. Os encerramentos são difíceis, vá pensando no seu antes.

8. Conclua sua história, deixe fluir, mesmo que não seja perfeita. Em um mundo ideal você tem ambos, mas siga em frente. Melhor na próxima vez.

9. Quando você se sentir empacado, faça uma lista do que não aconteceria a seguir. Muitas vezes, o material para você se soltar será exibido.

10. Retire as histórias que você gosta. O que você gosta nelas é uma parte de você; Você deve reconhecê-la antes de poder usá-la.

11. Coloque no papel para que você comece a corrigir. Se ficar na sua cabeça, uma ideia perfeita, você nunca vai compartilhar com ninguém.

12. Desconfie da primeira coisa que vem à mente. E a 2º, 3º, 4º, 5º – tire o óbvio do caminho. Surpreenda-se.

13. Dê opiniões aos seus personagens. Passivo/maleável pode parecer agradável para você enquanto escreve, mas é um veneno para o público.

14. Por que você deve contar ESTA história? Qual é a crença que arde em você que sua história se alimenta? Esse é o coração disso.

15. Se você fosse seu personagem, nesta situação, como você se sentiria? A honestidade empresta credibilidade a situações inacreditáveis.

16. Quais são as apostas? Dê-nos razão para a raiz do personagem. O que acontece se não tiverem sucesso? Empilhe as probabilidades contra.

17. Nenhum trabalho é desperdiçado. Se não estiver funcionando, esqueça e avance – voltará para ser útil mais tarde.

18. Você tem que conhecer a si mesmo: a diferença entre fazer o seu melhor e remexer. Contar uma história é testar, não refinar.

19. As coincidências para colocar os personagens em problemas são excelentes; As coincidências para tirá-los dos problemas são trapaças.

20. Exercício: pegue os blocos de construção de um filme que você não gosta. Como você os reorganizaria para algo que você gosta?

21. Você precisa se identificar com sua situação/personagens, não pode simplesmente escrever “legal”. O que o faria agir desse jeito?

22. Qual a essência da sua história? Mais econômico? Se você sabe disso, você pode começar a construir a partir daí.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Categorias
Web

Jornalista, co-fundador do Geekness. Foi editor do GamesBrasil, TechGuru e BABOO e repórter das revistas MOVIE, EGW e Nintendo World. Curta o Geekness no Facebook!