Cinema e TV

Como os filmes afetam o nosso cérebro

Como os filmes afetam o nosso cérebro

Como o nosso cérebro funciona quando assistimos a um filme? Um estudo inovador liderado pelo psicólogo Uri Hasson, de Princeton, tentou responder a esta questão indo além de que assistir a um drama é diferente de assistir a uma comédia.

Em um evento organizado pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood, Hasson apresentou sua pesquisa sobre o que acontece no cérebro quando as pessoas assistem a filmes. Seu trabalho aborda as diferentes reações ocasionadas por produções que vão desde Jon Favreau (Homem de Ferro e Chef) a Darren Aronofsky (Pi, O Lutador, Cisne Negro).

Cérebro de grupos têm a mesma reação

Uma de suas conclusões mais marcantes diz que se existe um grande grupo de pessoas em uma sala de cinema, por mais distinto que seja esse grupo, seus cérebros devem ter as mesmas reações. No entanto, nem todos os filmes possuem o poder de gerar essa sincronização no cérebro, os mais influentes são aqueles que se preocupam com a estrutura e usam mecanismos visuais para capturar a atenção do espectador por meio da montagem e da seleção de tomadas.

Hasson observou que o grau de correlação da atividade cerebral dos espectadores vendo uma cena de tensão pode ser de 70% enquanto que com uma comédia, na qual o cérebro está mais relaxado, a sincronização se reduz a 20%.

A apresentação do estudo teve a presença de Aronofsky e Favreau. Ambos estavam preocupados com a forma como os produtores podem usar esse recurso para controlar o público.

“O truque para fazer um filme é tão simples como entrar nas partes do cérebro humano que mantém o espectador entretido”, explicou Favreau.

Enquanto isso, Aronofsky, foi direto ao ponto:

“É assustador, em breve você vai ser testado com pessoas assistindo filmes em aparelhos de ressonância magnética”.

 

Vía EuropaPress

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Categorias
Cinema e TVDestaqueNews

Jornalista interessada em arte, tecnologia, cultura e sempre em busca de novas histórias. Se você tem uma, não deixe de me contatar no Facebook, Instagram ou no Twitter.