Malévola – Crítica

Malévola - Crítica

Há histórias que são contadas muitas e muitas vezes e que se mantém na cultura popular, passando de pai para filho. É o caso da Bela Adormecida, da Disney, animação inspirada no conto de Charles Perrault que cativou crianças há 55 anos e continua a cativar nos dias atuais. Mas e se essas histórias clássicas, e até “batidas”, ganhassem uma nova roupagem e narrativa, um outro tema? Este é o caso de Malévola, o filme da Disney que conta a história de uma das principais bruxas de seu universo fantástico.

Logo de início, o longa avisa: “Esta é uma história conhecida contada de uma forma diferente”. E bota diferente nisso. Como em todo belo conto de fadas, tudo começa com o “Era uma vez…”. A partir desta frase, quem está sentado na cadeira mergulha em um mundo fantástico, hora com paisagens coloridas e vivas, hora com a companhia da escuridão.

Malévola - Crítica

A história da personagem Malévola, interpretada por uma Angelina Jolie cativante, suga o espectador para dentro da tela desde o início. Com um ritmo rápido, o filme discorre as falcatruas, curiosidades, felicidades e desavenças da vida de uma jovem fada.

A temática gira em torno do povoado mágico de Mooras, local onde todas as criaturas vivem em paz, com confiança uns nos outros, e há reis, rainhas e, é claro, a ambição de poder.

Algumas das desgraças da humanidade refletem no reino mágico de Mooras. Malévola é diretamente afetada pela ganância ao se relacionar com um humano, Stefan (Sharlto Copley), que trocou sua confiança por uma coroa, tornando-se rei.

Malévola - Crítica

Traída, Malévola é tomada pelo sentimento de raiva e planeja sua vingança. A partir daí, podemos notar o talento de Angelina Jolie em conseguir ser tanto angelical quanto demoníaca e malvada. Este jogo de “boa” e “má” acompanha a personagem do começo ao fim da aventura, e é fantástico como a Disney conseguiu dar tanto significado à personalidade de Malévola, tornando-a um ser realmente grandioso – não apenas uma bruxa malvada como estamos acostumados a vê-la.

A bela Elle Fanning, que interpreta a princesa Aurora, aos poucos ganha a atenção dos holofotes no longa e serve como um estopim para despertar os sentimentos de ternura e carinho da até então bruxa má. Isso faz com que os ambientes obscuros deem espaço para a luz do sol, flores e criaturas brilhantes, ao invés do cenário de solidão o qual Malévola até então se via “presa”.

Malévola - Crítica

A mensagem que o filme passa aborda a existência do “amor verdadeiro”, e o desfecho da história é surpreendente. Há cenas de ação, batalhas, muitos efeitos especiais, criaturas mágicas e guerras entre humanos e o reino das fadas.

Entre a insanidade de um rei e a maldição de uma bruxa, o espectador acompanha grandes personagens – como o caso de Diaval (Sam Riley), o “fiel escudeiro” de Malévola — e reviravoltas ao longo da aventura. Imperdível!

Nota:4/5

4estrelas

Malévola (Maleficent)

angelina-jolie-maleficentDiretor: Robert Stromberg
Duração: 97 minutos
Elenco: Angelina JolieElle FanningSharlto Copley
Lançamento: 29 de maio de 2014 (Brasil).

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

  • Itamar

    Realmente muito bom e emocionante e Elle Fanning (não que ela seja feia) provou que uma boa atuação conta mais do que Beleza, ja que todos queriam uma bela adormecida mais bonita.

  • Amanda

    Bela Adormecida mais bonita, oras Elle não é nem um pouco feia e é uma excelente atriz, não sei porque de tanto reclamarem!