Na web série The Vault reality show é rito de passagem pós-moderno

O tema reality show já foi virado pelo avesso em filmes e séries, quase se transformando num sub-gênero. Quando pensávamos que o tema já estava esgotado, eis que surgiu a web série The Vault (2011-2014) demonstrando que o tema ainda tem múltiplas facetas para serem abordadas. No início The Vault parece uma espécie de “spin off” do clássico “The Cube” (1997): jovens universitários estão na segunda fase de um inédito reality show na qual cada participante está preso em uma sala totalmente branca com objetos aparentemente arbitrários (relógios, bicicletas ergométricas, aquários de peixes etc.). Todas as salas estão no interior de um imenso cofre, totalmente isolado do mundo exterior. Os participantes devem resolver juntos o enigma em torno do propósito de todos aqueles objetos. “The Vault” suscita uma reflexão sobre a função social dos atuais reality shows, híbridos de processos seletivos corporativos: um mix de rito de passagem e circo romano pós-moderno no qual cristãos agora são jogados contra leões do próprio psiquismo humano. Série mais uma vez sugerida pelo nosso incansável leitor Felipe Resende.

Ao lado dos curta-metragens, o campo das Web Séries tem se demonstrado como um ótimo campo de experimentação para cineastas. Ao longo de três anos, a web série The Vault (2011-2014) mostrou como é possível com um baixíssimo orçamento e ótimos roteiros, fazer uma instigante e inteligente narrativa.

A dupla de criadores/diretores Aaron Han e Mario Miscione cria um argumento que a princípio parece alguma espécie de spin off do clássico de terror e sci-fi The Cube (1997) sobre prisioneiros vagando em um labirinto de salas assassinas.

No primeiro episódio logo percebemos que ninguém morre e que na verdade os protagonistas estão em alguma espécie de reality show televisivo. Na verdade, todos estão na segunda etapa da competição na qual terão que solucionar um gigantesco quebra-cabeça, cada um isolado salas todas brancas. Todos comunicando-se entre si mediados por outro competidor que é o operador que faz as conexões entre os participantes através de um painel de botões.

Ao contrário da etapa anterior, eliminatória, nessa etapa de sete dias todos terão que coletivamente solucionar um enigma, composto por dispositivos e objetos colocados aparentemente de forma aleatória em cada sala: bicicleta ergométrica, relógios, aquários com peixes, um monte de biscoitos chineses da sorte etc.

São jovens estudantes universitários, cada um com sua camiseta que identifica a universidade, com exceção do “operador” com um discreto moleton. E o detalhe fundamental: todas as salas estão no interior de um imenso cofre (“The Vault”), totalmente incomunicável com o mundo exterior, a não ser com breves contatos em áudio com a produção do programa.

 

“The Vault” e rito de passagem

O argumento da web série The Vault é arquetípico: o rito de passagem, presente em todas as culturas no qual jovens tornam-se adultos – xamãs, heróis, guerreiros. Enfrentar os próprios medos, limites físicos e mentais, em ritos que simbolizam o ciclo da morte e renascimento.

Jovens universitários de prestigiosas universidades norte-americanas, agora em um moderno rito de passagem: os reality shows televisivos que emulam aqueles arbitrários testes elaborados por psicólogos de RH em processos seletivos corporativos.

Se no passado os ritos de passagem tinham um quê épico (enfrentar ameaças de situações reais), nos atuais assumem um caráter arbitrário e manipulador: criar dilemas propositalmente desenhados para extrair o pior da natureza humana. Como se fala em uma linha de diálogo em um dos episódio de The Vault, o jogo parece simular a si mesmo como um complexo enigma, quando tudo não passa de explorar lacunas de caráter de cada participante: compaixão, empatia, coragem etc.

A web série

Situado em 2016, The Vault apresente um reality show saudado como um reality inovador feito para ofuscar todos os outros. Os participantes estão presos em um gigantesco cofre dividido em uma série de salas. Em sete dias terão que coletivamente resolver um quebra-cabeças para ganhar uma enorme quanti em dinheiro.

Todos despertam com vendas nos olhos, cada um confinando em sua sala. Henry é a primeira pessoa a receber o “start” da produção, que se encontra em uma sala com um fone de ouvido e um painel com dezenas de botões. Através dele, conhecemos Omar, Anne, Eric, Ben e muitos outros, com Henry tentando moderar as comunicações e tentando estabelecer um diálogo para tentar compreender o porquê dos enigmáticos dispositivos e objetos colocados em cada sala.

 

Eric rapidamente se torna a voz da razão para Henry, oferecendo conselhos e mantendo-o no caminho certo. Enquanto isso, Anne está presa na sua sala com mais de cem peixes para alimentar e com comida quase insuficiente para mantê-los vivos.

Omar passa o seu tempo tentando encontrar padrões em dezenas de relógios fixados na parede e Ben sente-se levemente ofendido pela ironia politicamente incorreta da sua situação: ele é um oriental preso em um sala com um pequeno monte de biscoitos da sorte.

Cada pessoa tem em cada quarto um quebra-cabeça. E a soma de cada um deles parece se juntar em um enigma maior que talvez tenha a ver com a própria natureza do Cofre – o que permite voltas e revira voltas que prendem a atenção do espectador.

Reality shows e processos seletivos corporativos

Certamente a marca dos ritos de passagem contemporâneos (massificados pelos reality shows televisivos e processos seletivos corporativos) é a natureza simulatória dos testes, jogos, dilemas e quebra-cabeças aplicados supostamente para selecionar o jovem o melhor perfil.

>>>>>Continue lendo no Cinegnose>>>>>>>>

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...