Crônica

O homem que começou a pensar

O homem que começou a pensar

Começou de forma inocente. Comecei a pensar em festas de vez em quando para relaxar. Inevitavelmente, porém, um pensamento levou a outro, e logo eu era mais do que apenas um pensador social.

Comecei a pensar sozinho – “para relaxar”, eu disse a mim mesmo – mas eu sabia que não era verdade. Pensar tornou-se mais e mais importante para mim, e finalmente eu estava pensando o tempo todo.

Comecei a pensar no trabalho. Eu sabia que o pensamento e o emprego não se misturavam, mas eu não conseguia me conter.

Eu comecei a evitar amigos na hora do almoço para que eu pudesse ler Thoreau e Kafka. Eu voltaria ao escritório vertiginoso e confuso, perguntando: “O que, exatamente, estamos fazendo aqui?”

As coisas não estavam indo tão bem em casa. Uma noite eu tinha desligado a TV e perguntei à minha esposa sobre o significado da vida. Ela passou a noite na casa de sua mãe.

Logo tive a reputação de um pensador. Um dia, o patrão me chamou. Ele disse: “Skippy, eu gosto de você, e me machuca dizer isso, mas seu pensamento se tornou um problema real. Se você não parar de pensar durante o trabalho, você terá que encontrar outro emprego.”

Isso me deu muito em que pensar.

Cheguei em casa logo depois da conversa com o chefe. “Querida”, confessei, “eu estive pensando …”

“Eu sei que você tem pensado,” ela disse, “e eu quero um divórcio!”

“Mas, Mel, certamente não é tão sério.”

“É sério”, disse ela, com o lábio inferior tremendo. “Você pensa tanto quanto os professores universitários, e os professores universitários não ganham dinheiro, então se você continuar pensando, não teremos dinheiro!”

“Isso é um silogismo defeituoso”, eu disse impaciente, e ela começou a chorar.

Eu já tinha o suficiente. “Eu vou para a biblioteca,” rosnei enquanto eu pisei para fora da porta. Dirigi-me para a biblioteca, com vontade de um Nietzsche, com uma emissora do PBS no rádio. Eu corri para o estacionamento e para as grandes portas de vidro… elas não abriram. A biblioteca foi fechada.

Até hoje, acredito que o Poder Superior estava procurando por mim naquela noite. Enquanto eu me afundava no chão batendo no vidro, choramingando por Zaratustra, o cartaz me chamou a atenção. “Amigo, o pensamento pesado está arruinando sua vida?”, ele perguntou. Você provavelmente reconhece essa linha. Vem do cartaz anônimo do pensador padrão.

É por isso que eu sou o que sou hoje: um pensador em recuperação. Eu nunca falto uma reunião do AT. Em cada reunião assistimos a um vídeo não-educacional; Na semana passada foi “Porky’s”. Em seguida, compartilhamos experiências sobre como evitamos pensar desde a última reunião.

Eu ainda tenho o meu trabalho, e as coisas estão muito melhor em casa. A vida parecia… mais fácil, de alguma forma, assim que parei de pensar.

 

Via 2Think

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Categorias
CrônicaLivros e HQ

Jornalista, co-fundador do Geekness. Foi editor do GamesBrasil, TechGuru e BABOO e repórter das revistas MOVIE, EGW e Nintendo World. Curta o Geekness no Facebook!