Logo

Quando eu jogava videogame com meus amigos – Crônica

Post By RelatedRelated Post

Jogando Videoame

Como todo bom gamer desde 1995, eu jogava videogame com meus amigos. Mas não era online, pois em Promissão, minha cidade natal, nem se sabia o que era internet nessa época. Aliás, como era bom não ter isso. Na boa, qual a graça de jogar com seu melhor amigo a quilômetros de distância?

Como fica a emoção de cada cena inesperada que desenrola o jogo? E o frenesi de conseguir resolver aquele puzzle dificílimo no Resident Evil? E o mais importante, como zoar o cara quando você faz aquele golaço no PES – que na minha época era Winning Eleven? Qual a graça de fazer isso sem o cara sentado do seu lado?

Admiro as novas tecnologias e respeito quem as utiliza, mas nada, nunca, vai substituir a presença daquele parceiro de jogatina. Aquele que lia o detonado enquanto você penava para passar o chefão ou que fazia os combos mais absurdos no The King of Fighters com a mesma facilidade com que alguém passa manteiga no pão. Esse cara, jamais será o mesmo no seu fone de ouvido, isso eu garanto.

Digo isso porque vejo as gerações de hoje super conectadas em seus tablets, ultrabooks, smartphones e, é claro, videogames de última geração. No entanto, vejo essa galera sempre isolada, cada um literalmente no seu canto, só dialogando no plano virtual. A tecnologia encurta as distâncias, isso é fato, mas já pararam para pensar o quanto isso também nos isola?

tecnologia

Estamos próximos e ao mesmo tempo muito longe. O virtual se torna o padrão, e o real vira ficção. Ninguém mais liga na casa do amigo, prefere mandar por Whatsapp. Ninguém mais toca a campainha para brincar, envia solicitação de amizade no Facebook. Ninguém mais combina de jogar junto, entram em um servidor online com outros milhares de desconhecidos.

O cúmulo desta geração é comprar um Need for Speed e não poder jogar na mesma sala, lado a lado com meu amigo, pois o jogo só roda multiplayer em um servidor online. O cara estava ali do meu lado, num “jogo de dois”, e não pudemos jogar.

Como não pensar no abismo que a tecnologia está criando entre as pessoas? Sinto falta da época em que o meu PlayStation “deixava” eu dividir a TV com aquele bom amigo, porque agora a PSN manda cada um ficar na sua casa. Tá certo isso?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Luiz Henrique Castilho

Gamer, boleiro, publicitário, louco por cultura asiática e romântico assumido. Nascido e criado no interior e agora trabalhando muito na capital. Nas horas vagas, escreve crônicas, desenha e anda de bicicleta.