Logo

Top 10 de filmes e séries que estranhamente previram o futuro

Post By RelatedRelated Post

A vida imita a arte? Ou há algo mais complexo nas relações entre a ficção midiática e os eventos reais? O Cinegnose tenta dissecar essa questão fazendo o Top 10 dos filmes e séries que supostamente teriam previsto eventos reais como atentados, assassinatos, descobertas científicas e conquistas tecnológicas. Profecias? Coincidências? Ou contaminações sincromísticas do “continuum” midiático que envolve a todos nós?

series-filmes-que-previram-o-futuro-01

Para o Gnosticismo a realidade é uma ilusão. Para além das considerações filosóficas, ontológicas ou cosmológicas dessa afirmação, para o Cinegnose a hipótese sincromística seria mais um argumento a favor dessa suspeita gnóstica. Pelo Sincromisticismo, as relações entre a realidade e as narrativas ficcionais midiáticas sobre a realidade são mais complexas do que o velho provérbio de que “a vida imita a arte”.

Haveria uma complexa relação entre os conteúdos midiáticos sedimentados em memes e arquétipos e os acontecimentos sociais, econômicos e políticos. A onipresença dos meios de comunicação criaria um “contínuo midiático atmosférico” que apresentaria estranhas contaminações da ficção na realidade. E o movimento contrário: a realidade contaminando a ficção, de maneira que filmes tornam-se peças de uma agenda (agenda setting) política ou econômica mais ampla.

O exemplo mais atual é o do filme de Ridley Scott Perdido em Marte(The Martian, 2015) que é lançado no momento em que a NASA e o presidente Barack Obama mobilizam esforços para aprovar orçamento no Congresso para o projeto de uma missão tripulada ao planeta vermelho. Logo depois do lançamento do filme, a NASA anuncia a descoberta de água em Marte.

Nesse caso temos uma visível estratégia de relações públicas chamada de agenda setting, tática de criar uma suposta pertinência de uma pauta para a opinião pública.

Mas o caso mais intrigante é como a ficção é capaz de contaminar a realidade, como se fosse uma espécie de neo-platonismo realizado: memes e arquétipos baixam à Terra provenientes do Mundo da Ideias Midiáticas e materializam-se. Algumas vezes de forma trágica.

Vamos examinar dez casos de contaminação da realidade pela ficção – coincidências, profecias, efeitos de imitação (copycat effect) ou eventos sincromísticos.

Filmes e Séries que previram o futuro

Os Simpsons previu Donald Trump presidente e a partícula Higgs-Boson

Top 10 de filmes e séries que estranhamente previram o futuro

A ascendência nas pesquisas da candidatura do midiático Donald Trump para a Casa Branca nos EUA tem surpreendido a muitos. Mas não para os redatores de Os Simpsons: há 15 anos um episódio previu um Donald Trump presidente e as devastadoras consequências – um país de joelhos pela má gestão financeira e dependente da China.

O episódio Bart to The Future foi ao ar em março de 2000 onde vemos uma cartomante que dá a Bart um vislumbre de 2030 algumas semanas depois de Trump ter desocupado a Casa Branca. Além do país estar dependente da ajuda externa da China, os EUA estão à mercê de bandidos geneticamente melhorados por um programa projetado por Trump para ajudar a juventude da nação sua pureza racial – lembremos que a campanha atual de Trump é “Fazer a América Grandiosa Novamente”, além de recentemente ter chamado os mexicanos de “estupradores” e “traficantes de drogas”.

Lisa Simpson é eleita para suceder Trump e herda a incontrolável dívida nacional.

A série tem surpreendido com previsões de eventos mundiais nos mais variados campos como política, medicina e até física teórica. Em 1997 um episódio previu um surto de Ebola que em 2015 devastou a África Ocidental. Em 1998 no episódio The Wizard of Evergreen Terrace vemos Homer Simpson rabiscando em uma lousa uma complicada equação. Físicos experientes disseram que a equação apresentava uma aproximação aparentemente funcional de uma teoria sobre a massa da chamada “partícula de Deus”, a Higgs-Boson.  A série antecipou-se em década à descoberta recente por especialistas do acelerador de partículas europeus do CERN.

Além disso, aparentemente a série previu a queda política da Síria provocada pela Primavera Árabe em um episódio de 2001 chamado New Kids on The Blecch: mostra uma guerra em um país não especificado do Oriente Médio. Os inimigos dos EUA estavam em um jipe com a marca de uma bandeira que não era usada por nenhum movimento naquele momento – mais de uma década depois a mesma bandeira passou a ser usada por um grupo de rebeldes sírios.

Os teóricos da conspiração surtaram!Family Guy e o atentado na Maratona de Boston

familyguy

Em 2013 bombas foram detonadas junto à linha de chegada na Maratona de Boston, nos EUA, matando três pessoas e ferindo outras 264. O episódio Turban Cowboy da animação Family Guy teria previsto o incidente onde o protagonista Peter ganha a maratona depois de matar o resto dos participantes (é mostrado muito sangue e corpos desmembrados) e, sem querer, detona duas bombas com um telefone celular (veja sequência abaixo).

O enredo é tão semelhante aos trágicos acontecimentos de Boston que as cenas foram excluídas das retransmissões, assim como foram retirados vídeos do YouTube onde se comparam imagens do atentado com as cenas de “Family Guy”. Para alimentar os teóricos da conspiração, muitos links do site “Infowars” do jornalista Alex Jones e do blog “Gamba” com “evidências da operação “False Flag” foram estranhamente bloqueadas no Facebook. Eu mesmo postei links de ambos os sites que logo vieram com a seguinte mensagem “Forbidden You don’t have permission to access on this Server”. O que só alimenta a espiral conspiratória de interpretações.

Super Mario Bros. (1993) e o atentado do WTC de 2001

series-filmes-que-previram-o-futuro-04

Em 1993 deu-se o início dos filmes de videogames: o filme Mario Bros., uma adaptação do game da Nintendo, foi estrelado por Bob Huskins como o Mario, John Lenguizamo como o Luigi e Denis Hopper como o ditador King Koopa. A certa altura do filme quando o nosso universo e o do vilão Koopa começam a se fundir, pessoas e prédios em Nova York começam a desaparecer e passar para o outro universo. O mais notável são os desaparecimentos das torres gêmeas do skyline da cidade.

Claro, não há colisões de aviões, mas a maneira como desaparece é muito sugestiva. A torre sul vai em primeiro lugar e um grande buraco abre na segunda torre. Cria-se uma imagem muito estranha, criando-se um imediato paralelo com a tragédia de oito anos depois.

O que só levantou teorias conspiratórias sobre ligações entre a Al Qaeda, Bin Laden não só com o filme, mas com o próprio videogame da Nintendo.

Mas uma coisa é certa: de tanto verem Nova York ser destruída por Hollywood, os terroristas tivera uma inspiração e tanto.

Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembrança (2004) previu a “Engenharia dos sonhos”?

series-filmes-que-previram-o-futuro-05

No filme Brilho Eterno… Joel e Clementine submetem-se a um procedimento neuro-eletrônico oferecido pela empresa Lacuna Inc. (o nome é bem sugestivo): apagar as lembranças de ser relacionamento amoroso depois de uma dolorosa separação. Isso foi em 2004. Recentemente, neurocientistas holandeses divulgaram um estudo que abre a possibilidade de apagar a memória de fatos desagradáveis: uma eletroconvulsoterapia (ECT) para “alvejar e despedaçar a memória de um episódio perturbador dos pacientes”.

Essa ainda é uma terapia dolorosa porque envolve convulsões por impulsos elétricos. Mais próximo à cartografia da mente através de uma interface na tela de um computador está na experiência da engenharia dos sonhos dos ratos realizada pelo MIT, publicado pela Nature Neuroscience em 2012 – sobre isso clique aqui.

Veja mais filmes e séries que previram o futuro na matéria completa do Cinegnose >>>>

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Wilson Ferreira

Mestre em Comunição Contemporânea (Análises em Imagem e Som) pela Universidade Anhembi Morumbi.Doutorando em Meios e Processos Audiovisuais na ECA/USP. Jornalista e professor na Universidade Anhembi Morumbi nas áreas de Estudos da Semiótica e Comunicação Visual. Pesquisador e escritor, autor de verbetes no "Dicionário de Comunicação" pela editora Paulus, organizado pelo Prof. Dr. Ciro Marcondes Filho e dos livros "O Caos Semiótico" e "Cinegnose" pela Editora Livrus.