Tecnologia

Uma usina Nuclear flutuante da Rússia atravessa o Ártico

Agosto 13, 2019

Uma usina Nuclear flutuante da Rússia atravessa o Ártico

Uma Usina Nuclear flutuante na Rússia tem o objetivo de oferecer eletricidade para regiões remotas e distantes, de acordo com informações do jornal The Guardian.

Chamada de Akademik Lomonosov, a planta vai viajar 4 mil quilômetros, de São Petersburgo até Pevek, uma cidade remota portuária que fica no nordeste oriental.

A usina de 70 megawatts tem capacidade de abastecer mais de 100 mil casas, apesar da cidade ter uma população de 5 mil pessoas – enquanto a região em volta, Chukotka, tem mais de 50 mil habitantes.

Desde abril de 2018 está em curso, e como não tem um sistema de propulsão próprio, é rebocada. Além disso, tem uma piscina, academia e bar a bordo.

Uma usina Nuclear flutuante da Rússia atravessa o Ártico

Alguns ambientalistas, no entanto, dizem existir uma possibilidade de desastre ambiental.

“É mais arriscado do que administrar uma usina nuclear comum, e a Rússia tem um passado radical quando se trata de usinas comuns”, disse Jan Haverkamp, especialista em energia nuclear do Greenpeace, ao Business Insider.

Em um post recente no blog do Greenpeace, Haverkamp comparou a usina a “um Chernobyl no gelo”. Em 2018, ela o chamou de “Titanic nuclear”.

Anna Kireeva, chefe de comunicações da Fundação Bellona, uma organização que defende questões ambientais no Ártico, também alertou.

“Eu estou realmente preocupada que essas tecnologias nucleares possam ser usadas em países onde os níveis de segurança de radiação nuclear, regulamentação e padrões de segurança não estão em um nível tão alto como na Rússia”, disse ela ao The Guardian. “O que eles farão com combustível nuclear usado? Como eles reagirão em caso de emergências?

As autoridades em Rosatom, da Corporação de Energia Nuclear da Rússia, dizem que estão confiantes de que a barcaça maciça é segura. Eles argumentam que o Akademik Lomonosov é “praticamente inafundável” e pode suportar colisões com icebergs e até ondas de sete metros.

“Estudamos a experiência de Fukushima de perto”, disse ao The Guardian Dmitry Alekseyenko, chefe de construção e operação da usina. “[O que acontece] se a plataforma for atingida por um tsunami? Ou jogado em terra? De acordo com nossos testes, um tsunami causado por um terremoto de nove pontos não o deslocará de sua base”.

Rosatom também reagiu ao Greenpeace.

“Suas alegações sobre os perigos da usina são completamente infundadas”, diz uma declaração de 2018. “O Greenpeace não apresentou nenhuma evidência científica significativa para apoiar quaisquer riscos não abordados ou falhas do projeto da fábrica, que é baseado em tecnologia testada e comprovada e tem um histórico impecável”.

Aparentemente, teremos usinas flutuantes no futuro próximo. Mesmo porque a Rússia não é o único país interessado nisso. A China anunciou em março que planeja construir 20 usinas flutuantes para abastecer ilhas do sul da região.

Veja mais sobre tecnologia!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Jornalista, Fundador do Geekness. Foi editor do GamesBrasil, TechGuru, BABOO e já forneceu conteúdo para portais como o MSN, UOL, iG, Terra e R7. Também foi repórter das revistas MOVIE, EGW e Nintendo World. Curta o Geekness no Facebook!