Cinema e TV

Vidas ao Vento – Crítica

vidas-ao-vento1

Vidas ao Vento é um filme delicado. O mestre da animação Hayao Miyazaki saiu do mundo fantasioso de filmes como Princesa Mononoke, A Viagem de Chihiro e o Castelo Animado para contar uma biografia adaptada que se passa durante a Segunda Guerra Mundial.

Acompanhamos a história do designer de avião Jiro Horikoshi, um jovem que sonha em ser piloto, mas que tem seu desejo podado pela miopia que o acompanha desde a infância. Inspirado pelo designer aeronáutico italiano Caproni, Jiro adapta seu sonho de voar e passa a desejar desenhar aeronaves.

Em 1927, ele entra na divisão de aviões de uma grande empresa de engenharia japonesa e logo se vê projetando grandes máquinas.

Vidas ao Vento: Nova animação de Hayao Miyazaki estreia dia 28

No caminho, Jiro conhece e se apaixona pela jovem Nanoko e a Grande Depressão se instaura no Japão. Pobreza, doenças e o grande sismo de Kanto – que destruiu cerca de 570 mil lares, deixando quase doi milhões de refugiados – arrastaram o Japão à guerra. Miyazaki apresenta como a juventude no país sobreviveu a este período turbulento.

Apesar de ser uma animação, Vidas ao Vento é um filme adulto com roteiro complexo e referências históricas. Algo que me chamou bastante a atenção, e acredito que isso até contribuiu para o filme não ser considerado para crianças, é o tanto que os personagens fumam durante a trama.

Momentos de reflexão e introspecção do protagonista são sempre acompanhados de um cigarro aceso. Em algumas cenas vemos os cinzeiros lotados e Honjo, o amigo de Jiro, também está sempre fumando ou “filando um”.

Mesmo sendo uma biografia, não entendo exatamente o que o cigarro pode contribuir para o desenrolar da trama, ainda mais porque o filme também aborda problemas como a tuberculose. Há uma cena, inclusive, em que Jiro fuma ao lado de um tuberculoso em crise. Não faz muito sentido.

vidas-ao-vento3

Mais que isso, o diretor usa e abusa de planos estáticos. Existem muitos momentos em que ficamos apenas admirando a paisagem da animação, deixando um aspecto cult para o filme. Não à toa, são mais de duas horas de duração que podem soar um pouco arrastado para os mais impacientes.

A cereja do bolo é, sem dúvida, o protagonista Jiro, cujo um de seus grandes feitos é o avião de caça Mitsubishi A6M Zero que foi usado durante a Segunda Guerra Mundial pelo Japão. Mesmo sendo muito talentoso, Jiro sempre se mostra insatisfeito em projetar máquinas para a guerra.

Para ele, os humanos criam objetos incríveis, mas usam da forma errada. O rapaz também é super polido e solidário, e é bonito de ver como os japoneses são educados uns com os outros. O filme é cheio de palavras como “por favor” e “obrigado”.

Com indicação ao Oscar para melhor animação, Vidas ao Vento é um filme recomendado para quem gosta de sutilezas. É leve como o vento que, mesmo não sendo possível enxergá-lo, nos é de muita valia.

Nota: 4/5

4estrelas

vidas-ao-ventoVidas ao Vento

Diretor: Hayao Miyazaki
Distribuidor: Califórnia Filmes
Gênero: Animação / Drama
Data de Lançamento: 28 de fevereiro de 2014

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Categorias
Cinema e TVCríticasCríticas de FilmesDestaqueNews

Jornalista interessada em arte, tecnologia, cultura e sempre em busca de novas histórias. Se você tem uma, não deixe de me contatar no Facebook, Instagram ou no Twitter.